A raiva é causada por um vírus do gênero Lyssavirus capaz de infectar mamíferos. Os quirópteros são mamíferos, portanto, morcego transmite raiva se estiver infectado com o vírus, assim como qualquer outro mamífero.

Morcego pendurado na árvore.

Essa é uma doença aguda, que compromete o sistema nervoso central (SNC) e, como pode ser passada de animais para o homem, é considerada uma antropozoonose. Antigamente, agosto era o mês do cachorro louco, pois sempre se sabia de algum cão espumando pela boca e extremamente agressivo.

O sorotipo do vírus da raiva causador dessa agressividade tem sido substituído nas cidades, fazendo os animais apresentarem outros sinais clínicos e, os seres humanos, outros sintomas.

Vem explorar conosco o que há de mais recente no tema: morcego transmite raiva, então fique atento às precauções em caso de contato com morcegos ou com animais que tiveram contato com eles.

Transmissão

Existe grande concentração do vírus na saliva e, se pensarmos nas doenças de morcego capazes de alterar seu comportamento, a raiva é uma delas, fazendo-o perder sua característica noturna. Assim, ele adentra as casas e aumenta a chance de contato com nossos pets, especialmente gatos.

Morcego transmite raiva por mordidas ou arranhões, pela saliva em contato com a pele ou mucosa do animal sadio. Então, existem grandes chances de o seu pet desenvolver a doença, que é considerada fatal.

Portanto, não são as fezes de morcego que transmitem raiva, já que o vírus da raiva não penetra na pele íntegra. Ele precisa de uma “porta de entrada”, ou seja, precisa entrar em contato ou com a mucosa dos animais ou com uma solução de continuidade (feridas) da pele.

Formas de apresentação clínica da raiva

Existem duas formas de raiva: a furiosa e a paralítica. Na furiosa, temos um animal agressivo e que morde aqueles ao redor, seu tutor e a si mesmo. Ela está presente em canídeos e felídeos, e já foi frequente em nosso país.

Já o morcego transmite raiva paralítica. O próprio morcego transmissor adoece e morre por conta da raiva, mas não chega a apresentar sinais de agressividade e de salivação característicos.

Conhece-se pouco a evolução da raiva nos morcegos, mas sabe-se que todo morcego transmite raiva, desde que esteja o vírus. Neles, o período de incubação é muito longo, o que, no caso do morcego hematófago, permite a infecção de muitos animais antes dele morrer.

Sinais clínicos em animais

Os herbívoros de rebanhos comerciais são os mais afetados, e o morcego que transmite raiva no ambiente rural é chamado de Desmodus rotundus. Para ele, porém, há o Programa Nacional de Controle da Raiva dos Herbívoros.

Nas grandes cidades, os cães e gatos apresentavam, nos primeiros 15-60 dias, a forma furiosa, com alteração de comportamento, buscando o escuro e com agitação incomum, sinais que pioravam após três dias, com a agressividade característica.

Cachorro olhando para o lado.

 Havia salivação abundante e espalhamento do vírus por ataque a outros animais ou humanos. No final, percebiam-se convulsões generalizadas, incoordenação motora com paralisia rígida dos membros e opistótono. Essa forma está rara no Brasil.

Na forma paralítica, a maioria envolvendo morcegos, pode existir uma fase excitatória curta, mas não perceptível, seguida de dificuldade em deglutir, paralisia dos músculos cervicais e dos membros com péssimo prognóstico. Essa é a forma mais presente nas grandes cidades brasileiras.

Prevenção

Sendo a raiva uma antropozoonose, tenha cuidado ao manipular animais com sinais suspeitos, como agressividade sem explicação, perda ou alteração de movimentos, mandíbula “solta” e alterações oculares, como estrabismo repentino.

Morcego que come fruta transmite raiva. Com a destruição dos ambientes naturais dos voadores e a presença de árvores frutíferas nas cidades, várias populações desses mamíferos migraram, podendo encontrar seu pet. Portanto, se seu animalzinho teve contato com um deles antes de apresentar alteração comportamental, informe o veterinário, manuseando o pet com o mínimo de contato possível, usando panos e luvas.

Se você mora em região com presença de morcegos, busque deixar seus animais dentro de casa no final do dia. Se morar em apartamentos, use rede nas sacadas, com abertura menor do que as redes de segurança, para prevenir sua entrada.

Faça uso de telas em janelas e portas, pois, em épocas de calor, podemos deixar esses locais abertos e facilitar a entrada de morcegos doentes nas casas, além de ser uma ótima prevenção contra mosquitos.

Agora que sabemos qual morcego transmite raiva, precisamos entender que esses animais são importantes nos ecossistemas onde habitam. Eles são animais silvestres e, exceto o D. rotundus, que possui um programa de controle populacional, são protegidos por lei. 

Matar morcego dá cadeia! Portanto, nada de ficar destruindo seus ambientes ou atacando gratuitamente essas criaturas, certo? Mesmo porque o animal que está com comportamentos alterados está doente e merece nossa compaixão.

Vacine anualmente seu animalzinho, especialmente aquele com possibilidade de encontrar animais silvestres ou de rua.

Cachorro deitado no sol.

Aqui, na Seres, nós prezamos pela saúde do seu animalzinho e também pela saúde única! Vem conhecer nossas instalações e nossa equipe e tirar todas as dúvidas sobre essa e outras doenças.