A caudectomia é proibida. Conheça a história

Publicado pela Equipe SERES | 10 julho 2022

#

Caudectomia é o procedimento cirúrgico que retira total ou parcialmente a cauda do animal. Muito praticada para fins estéticos em algumas raças caninas até o início dos anos 2000, foi proibida com essa finalidade em todo o Brasil pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária em 2013.

Cachorro dentro do carro.

Isso porque houve um entendimento, por parte da sociedade e dos médicos-veterinários, de que a prática traria mais malefícios do que benefícios ao animal que tinha sua cauda cortada sem motivo terapêutico.

Como era antigamente

Antes dessa compreensão de que o pet é um ser senciente, ou seja, que tem capacidade de ter sensações e sentimentos, os cães tinham suas caudas cortadas por conta de padrões de beleza de algumas raças.

A lista de raças que passava pela cirurgia de amputação de cauda era extensa: Poodle, Yorkshire Terrier, Pinscher, Dobermann, Weimaraner, Cocker Spaniel, Boxer, Rottweiler, Pitbull, e muitas outras.

A cirurgia era feita com filhotes de até cinco dias de vida e o procedimento era extremamente cruento: o filhote tinha sua cauda cortada e ainda levava alguns pontos de sutura no local; tudo isso sem anestesia, pois, devido à pouca idade, acreditava-se que ele não sentia tanta dor.

Onde tudo começou

O primeiro registro que existe no histórico de cortar rabo de cachorro ocorreu na Roma Antiga. Os pastores romanos acreditavam que, ao retirar uma parte da cauda dos cães até seus 40 dias de vida, eles preveniam a ocorrência da raiva canina.

Muitos anos depois, os cães de caça começaram a ter seus rabos cortados com a desculpa de que assim seriam menos feridos pelas suas presas ou, em caso de brigas, outro cão não teria como morder sua cauda. Essa teoria ainda é usada em alguns lugares do mundo.

Por fim, os rabos começaram a ser amputados por questões estéticas. Com o objetivo de deixar o cachorro mais bonito, alguns criadores cortavam os rabos e outras partes do corpo, como a orelha, determinando, assim, que os cães que não eram amputados não obedeciam ao padrão racial.

Então, algumas pessoas leigas, que tinham filhotes nascidos em casa e não queriam gastar para fazer a caudectomia com o veterinário, passaram a fazer o procedimento em seu domicílio, sem nenhuma experiência ou critério de higiene e cuidado.

Com isso, muitos casos de filhotes que morriam devido a infecções e sangramentos começaram a surgir, fazendo com que as autoridades veterinárias começassem a se sensibilizar com esses acontecimentos e a tentar inibir o ato.

O que diz a legislação brasileira

Em 1998, foi promulgada a lei mais importante no Brasil no que diz respeito aos maus tratos com os animais. Trata-se da Lei Federal de Crimes Ambientais. Em seu artigo 32, ela ressalta que mutilar qualquer animal é crime federal.

Porém, de 1998 até a sua completa proibição, a caudectomia em cães com fins estéticos foi amplamente realizada em território nacional, tanto por médicos-veterinários quanto por alguns tutores e criadores.

Então, em 2008, o Conselho Federal de Medicina Veterinária proibiu as cirurgias estéticas de corte das orelhas, das cordas vocais e das garras do felino. Mas e a caudectomia? Até esse momento, ela era apenas não recomendada pelo mesmo conselho.

Cachorro olhando para o lado.

Finalmente, em 2013, a resolução nº 1027/2013 alterou a recomendação de 2008 e passou a incluir a caudectomia como procedimento proibido de ser realizado no Brasil pelos médicos-veterinários.

Assim, qualquer profissional que realize o procedimento de caudectomia para fins estéticos pode sofrer sanção profissional, respondendo por crime federal de acordo com a Lei de Crimes Ambientais de 1998.

O que mudou?

As pessoas passaram a perceber que a amputação trazia sofrimento para os animais e que a caudectomia em filhotes era um ato cruel. A cauda, orelhas, latidos dos cães e garras dos gatos são extremamente importantes para a comunicação animal. Privá-los dessa expressão é uma forma clara de maus tratos, já que infringe a Liberdade Comportamental das Cinco Liberdades, princípios norteadores do bem-estar animal.

Toda caudectomia é proibida?

Não. A caudectomia terapêutica é autorizada. Trata-se da cirurgia realizada para tratar alguma doença: lesões repetidas e crônicas de automutilação, tumores, por dor (como na cauda em “S” invertido), fraturas, infecções resistentes, entre outras enfermidades.

Nesse caso, a cirurgia para retirada total ou parcial da cauda é feita com o animal totalmente anestesiado, em ambiente controlado e com o máximo de zelo para que complicações pós-cirúrgicas sejam evitadas.

Após o procedimento, o pet vai para casa com prescrição de medicamentos para dor, inflamação e para evitar infecções, pois trata-se de uma região de contato muito próximo ao ânus.

Cachorro deitado na grama.

Por isso, recomenda-se que o pet passe por uma avaliação com um médico-veterinário caso necessite de uma caudectomia. No Hospital Veterinário Seres, os pacientes contam com uma estrutura única e profissionais especializados em cirurgias delicadas. Venha nos conhecer!

Aqui você encontra artigos incríveis sobre saúde e cuidados que podem ajudar a melhorar o bem-estar de seu bichinho de estimação, seja qual for a espécie do pet. Afinal de contas, o nosso instinto é cuidar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias relacionadas

Ver todas notícias
Ferida na orelha do cachorro: devo me preocupar?

Ferida na orelha do cachorro: devo me preocupar?

#cachorro
03 outubro 2022

Umas das partes do corpo do nosso pet que chama mais atenção são as orelhas. Cada raça possui um formato […]

Continuar lendo
Casca grossa na pele do cachorro: um problema muito comum

Casca grossa na pele do cachorro: um problema muito comum

#cachorro
30 setembro 2022

Problemas dermatológicos estão entre as principais queixas de tutores quanto à saúde do seu animal. Grande parte dos cachorros são […]

Continuar lendo
Meu cão está muito triste! Existe remédio para depressão canina?

Meu cão está muito triste! Existe remédio para depressão canina?

#cachorro
28 setembro 2022

Assim como os humanos, os cachorros desenvolvem problemas psicológicos. Se notarmos distúrbios no comportamento do pet, em especial a tristeza, […]

Continuar lendo
Aprenda como alimentar cachorro com doença do carrapato

Aprenda como alimentar cachorro com doença do carrapato

#cachorro
15 setembro 2022

A doença do carrapato debilita e afeta muitos órgãos e sistemas do cachorro, deixando-o abatido e sem apetite. Por isso, […]

Continuar lendo
Tártaro em cães: como podemos ajudar os peludos?

Tártaro em cães: como podemos ajudar os peludos?

#cachorro
08 setembro 2022

O tártaro em cães é uma das principais causas de insuficiência renal e cardíaca nessa espécie. Não deixe isso acontecer […]

Continuar lendo
Viu o cachorro sangrando pelo nariz? Será que é preocupante?

Viu o cachorro sangrando pelo nariz? Será que é preocupante?

#cachorro
07 setembro 2022

Alguns sinais clínicos são comuns em diversas doenças. É esse o caso de quando o tutor vê o cachorro sangrando […]

Continuar lendo
Entenda as causas mais comuns de feridas em cachorro

Entenda as causas mais comuns de feridas em cachorro

#cachorro
05 setembro 2022

Os cães estão cada vez mais próximos da família. Eles entraram em nossas casas e corações. Com essa proximidade, passamos […]

Continuar lendo
Dar remédio para cachorro com diarreia com sangue é recomendado?

Dar remédio para cachorro com diarreia com sangue é recomendado?

#cachorro
02 setembro 2022

Quer saber se pode dar remédio para cachorro com diarreia com sangue? Antes de mais nada, é preciso saber os […]

Continuar lendo
Por que a glândula adanal do cachorro inflama?

Por que a glândula adanal do cachorro inflama?

#cachorro
30 agosto 2022

Viu o pet arrastando o bumbum no chão, lambendo insistentemente o bumbum, com uma substância amarronzada e um cheiro repugnante? […]

Continuar lendo

Assine nossa newsletter e receba novidades.