Um tutor atento sempre observa como seu cão vai como um todo: pelo brilhante, olhos úmidos e não avermelhados, disposição para brincadeiras, apetite nas refeições, nariz gelado. Epa! Cachorro com nariz gelado? Será que isso é normal?

Cachorro deitado.

Não é nenhuma novidade que os cães têm um olfato muito apurado. Eles são excelentes farejadores e existem muitas curiosidades a respeito do focinho dos cães. Conheça algumas delas a seguir!

Nariz gelado

Não é mito dizer que existe uma relação entre o focinho de cachorro gelado e ele estar saudável. Na maior parte do tempo, os cães têm o focinho mais geladinho e úmido. Isso não quer dizer que o oposto é anormal. Em dias mais quentes e secos, o nariz deles também fica quente e seco.

Por isso, dizer que o nariz de cachorro quente sinaliza febre é, sim, uma lenda. Para afirmar que um animal tem febre, é preciso aferir a temperatura com um termômetro, e não achar que um cachorro com nariz gelado ou quente é doença.

Além disso, o nariz gelado é uma forma de o cão regular a temperatura corporal, uma vez que as glândulas sudoríparas pelo corpo não tem a função de termorregulação no cão e ele pode superaquecer. O estado úmido ainda auxilia na captação de aromas dispersos no ar, pois eles “viajam” com o vento e “grudam” no nariz molhado. Por isso, cães vivem lambendo o focinho, limpando-o.

Então, como saber se o nariz quente é sinal de preocupação? Basta observar seu cachorro atentamente. Quando algo está errado, ele apresenta outros sintomas, como apatia, fraqueza, falta de apetite, diarreia ou vômito.

Superolfato

Os cães possuem um superolfato! Enquanto nós temos míseras 5 milhões de células olfativas, os cães possuem entre 120 e 300 milhões delas. Por isso, eles são capazes de farejar rastros de odores deixados há dias por um animal ou um humano.

Órgão vomeronasal

Além desse batalhão de células olfativas, os cães possuem o órgão vomeronasal, também chamado de Órgão de Jacobson. Trata-se de um par de sacos alongados que vão do céu da boca até o focinho e se ligam diretamente ao sistema nervoso.

Eles usam esse órgão para identificar substâncias como feromônios e odores específicos, sendo até treinados para perceber cheiros diferentes, como um humano com câncer, ou detectar quando estamos assustados, ansiosos e bravos, para nos acalmar. É muito utilizado em cães policiais para detectar drogas ou conteúdos ilícitos em bagagens, por exemplo.

Para eles, cheirar as fezes e a urina de outro cão funciona como ler uma notícia: eles conseguem distinguir qual é o sexo e a idade do animal, se é fêmea e se está no cio, há quanto tempo ele excretou ali e quais emoções estava sentindo naquele momento.

Pug deitado olhando para o lado.

Nós cheiramos em “mono” e eles, em “estéreo”

As vantagens deles sobre nós só aumentam! Os cachorros possuem três caminhos possíveis de passagem de ar pela cavidade nasal, um para troca de calor, um para receptores olfativos e um direto para a transição nasofaringe. 

Ao farejar em pequenas e ritmadas quantidades de ar, há um fluxo turbulento de odores atingindo a parte olfativa do nariz, aumentando sua percepção de odores. Isso ajuda eles a determinarem a direção de onde o odor está vindo.

Todos os cães são superpoderosos?

Embora todos tenham muito mais células olfativas que nós (o que já é um superpoder), existem diferenças entre as raças. Um longo processo de seleção de raças farejadoras garante essa distinção.

A seleção de cães que realizavam muito bem o rastreio de uma caça ou um trabalho de faro melhor que outros cachorros levou a uma diferenciação desses animais. Por isso, os cães perdigueiros ou caçadores possuem uma melhor habilidade de faro.

Memória olfativa

Os cães têm um bulbo olfativo, estrutura localizada no cérebro que capta cheiros, muito maior que o nosso (mais um ponto para eles!). Assim, eles reconhecem e lembram-se de odores em concentrações 100 milhões de vezes menores que aqueles que conseguimos cheirar.

Alterações no focinho

Ufa, haja superioridade de nariz canino! Porém, sabendo que o cachorro com nariz gelado é normal, quando devemos nos preocupar com alterações no focinho do nosso amigo? 

Já falamos que o nariz estar quente e seco não é sinônimo de problemas, mas observar seu cachorro com focinho gelado e tremendo certamente é motivo de alerta. Pode ser que seu cão esteja simplesmente com frio em um dia de inverno. Contudo, se for um dia de temperatura alta, é melhor levá-lo ao veterinário.

Caso veja o seu amigo com o focinho inchado, ele pode ter sido picado por uma abelha ou outro inseto. Um nariz com feridas pode indicar algumas doenças sistêmicas, como leishmaniose ou lúpus. Em ambos os casos, a recomendação de levá-lo ao veterinário também é válida.

Se seu cachorro com nariz gelado tem algum tipo de secreção nas narinas, seja com sangue, seja com pus, isso indica que ele está doente e precisa de ajuda. Pode ser uma doença grave em que cada minuto de tratamento é importante.

Também temos nossos amigos braquicefálicos, que são aqueles de focinho curto ou “achatado”, como alguns os chamam. Eles apresentam alterações anatômicas que dificultam a respiração e a olfação. Felizmente, essas alterações podem ser corrigidas cirurgicamente, se causarem muita dificuldade respiratória ou prejudicarem a qualidade de vida do seu cão.

Cachorro na floresta com folha no nariz.

Muitas foram as curiosidades nesse texto. Agora, você já sabe que um cachorro com nariz gelado é muito normal e que nossos amigos têm superpoderes olfativos. É por isso que amamos os cães!