Muitos tutores nem imaginam, mas aferir a pressão arterial em cães faz parte da rotina do médico-veterinário. Esse é mais um parâmetro que ajuda a avaliar a saúde do pet e a monitorá-lo durante um tratamento ou um procedimento cirúrgico. Conheça mais sobre essa avaliação e sua importância! 

cachorro abatido

Por que o médico-veterinário afere a pressão arterial em cães?

Assim como acontece com as pessoas, a pressão arterial em cães tem um parâmetro, que é considerado normal. Quando ela está abaixo ou acima desse parâmetro, algo não está bem.

Em média, podemos citar que a pressão 120 por 80 milímetros de mercúrio (mmHg), popularmente conhecida como 12 por 8, é a mais frequente. Contudo, para avaliar se há um quadro de hipertensão em cães, por exemplo, é preciso levar em conta outros fatores.

Há uma variação entre portes, raças e idade que também é considerada pelo médico-veterinário na hora de monitorar a saúde do cachorro. Porém, no geral, ao medir a pressão arterial de cães, os valores são:

  • Normal: pressão arterial sistólica (PAS) entre 110 a 120 mmHg, e pressão arterial diastólica (PAD) entre 70 a 80 mmHg; 
  • Discretamente elevada: PAS entre 120 a 160 mmHg, e PAD entre 80 a 100 mmHg; 
  • Elevada: PAS entre 160 a 200 mmHg, e PAD entre 100 a 120 mmHg,
  • Acentuadamente elevada: PAS acima de 200 mmHg e PAD acima de 120 mmHg. 

Na rotina veterinária, esses parâmetros podem ajudar a concluir um diagnóstico e também a acompanhar a evolução de uma doença. Além disso, podem servir como alerta para uma situação de urgência. 

Tanto a hipertensão em cães como a hipotensão devem ser consideradas, monitoradas e tratadas. Um animal que foi atropelado e está hipotenso, por exemplo, pode estar com hemorragia interna e precisa de tratamento imediato. Já a hipertensão pode estar ligada a:

  • Doença renal crônica;
  • Hiperadrenocorticismo;
  • Diabetes mellitus,
  • Cardiopatias.

cachorro deitado no chão

O que pode influenciar a pressão arterial

Além das diversas doenças que podem deixar o cachorro com pressão alta ou baixa, há outros fatores que podem alterá-la. Isso sempre é levado em conta pelo médico-veterinário durante o exame. Entre as condições, podemos citar:

  • Idade;
  • Raça;
  • Sexo;
  • Temperamento — ansiedade e estresse podem resultar em aumento momentâneo da pressão arterial em cães,
  • Atividade física, como, por exemplo, quando a aferição é feita depois que o animal correu.

Como medir a pressão arterial em cachorro?

Afinal, como medir pressão arterial em cães para saber se ele está ou não hipertenso? Há diversas maneiras que os médicos-veterinários usam para aferir a pressão dos peludos, e elas são divididas em invasivas e não invasivas.

A forma invasiva é a considerada mais eficiente, contudo, é a menos usada. Isso acontece porque, para aferir a pressão por meio dessa técnica, é preciso introduzir um cateter no animal. Em uma consulta comum, isso poderia deixar o peludo muito estressado, o que não seria positivo.

Por outro lado, quando é necessário o controle da pressão em uma cirurgia, por exemplo, essa é a melhor forma. Assim, o médico-veterinário anestesista poderá monitorar a pressão do animal constantemente. 

Já os métodos indiretos, ou seja, não invasivos, usam medidores externos. A técnica é mais simples, por isso, é a forma mais usada na rotina clínica. Entre as possibilidades de aferição não invasiva, a que usa o aparelho do tipo Doppler é a mais comum.

cachorro idoso

Resumidamente, podemos dizer que a aferição da pressão arterial em cães é importante para controlar a saúde deles. Assim como a aferição da pressão, a ultrassonografia é outro exame usado com frequência na medicina veterinária. Saiba mais.