Apesar de haver um pouco de confusão sobre o uso do microchip em cachorro, saiba que implantá-lo no seu animal é um procedimento seguro e importante para a identificação dele.

Cão deitado na grama com o microchip para cachorro.

Muitos tutores pensam que, microchipando seu animal, estão seguros para rastreá-lo em caso de fuga dele. Não é essa a função do microchip, ele é um identificador, não um chip rastreador para cachorro.

Esse dispositivo do tamanho de um grão de arroz é envolvido por uma cápsula de vidro biocompatível, ou seja, não causa reações no organismo. Ele é implantado no subcutâneo do cachorro por um médico veterinário, na região entre as escápulas (entre os ombros, após a cervical – região de dorso), um local de padrão internacional. Nele, há um número exclusivo, inalterável e intransferível.

Para que serve o microchip em cachorro?

Sabendo para que serve microchip em cachorro, o tutor entende a importância de usá-lo. O número presente nele é uma forma de identificar seu cachorro como seu sem enganos. 

Se ele for roubado ou pego por engano, tiver um microchip e o tutor estiver de posse do certificado de microchipagem ou se tiver seus dados cadastrados através de sites de identificação, assim poderá provar que o animal é dele mesmo.

O microchip é um sistema de identificação obrigatória para entrada em países da Europa e Estados Unidos, entre outros. Por isso, se você pensa em viajar com seu cão para fora do Brasil, terá que microchipá-lo. 

O mesmo vale caso o tutor ache que seu lindo cachorro tem incrível beleza e perfeitos padrões da raça e queira colocá-lo em exposições ou torneios de agility, para assegurar a raça e impedir falsificações. Alguns planos de saúde animal exigem o chip para o cachorro fazer parte dos animais assegurados pela empresa. 

Como o microchip é colocado?

O microchip é implantado debaixo da pele do cachorro, com uma agulha e seringa. A agulha é um pouco mais calibrosa que as de aplicação de vacina.

Não é necessária anestesia local ou sedação do cachorro. O procedimento é rápido e a dor é bem suportada pela maioria dos animais. Após a colocação, o animal não fica prostrado ou dolorido, como na vacinação, nem sofre efeitos colaterais.

Dentro do chip, não existe bateria. Ele só é ativado quando se passa o leitor no cachorro, que identifica o código de barras do dispositivo e o traduz em um número. A durabilidade é de cerca de 100 anos.

Obrigatoriedade do microchip

De acordo com a Lei municipal nº. 14.483 de 16 de julho de 2007 da cidade de São Paulo, no artigo 18º, os canis só podem comercializar, permutar ou doar animais microchipados e esterilizados (castrados).

Então, qualquer animal vendido por esse tipo de estabelecimento deve ser microchipado. A Prefeitura de São Paulo também realiza a microchipagem dos cães de forma gratuita quando são castrados em clínicas veterinárias conveniadas.

Cão sentando no sofá com o microchip para cachorro.

Além disso, microchipar os cachorros ajuda a diminuir o abandono de animais nas vias públicas, uma vez que é possível identificar o tutor que abandonou o cachorro pelo número do chip.

Para a saúde pública, a identificação do cachorro permite eficiente vigilância dele, estudos populacionais, controle do bem-estar animal, responsabilização em casos de maus tratos e de agressões em pessoas por animais errantes bravos.

GPS x microchip

Como já foi dito, o microchip não tem funcionalidade de rastreamento. Para tal, é preciso um dispositivo de comunicação com um GPS, o que não é o caso. Porém, é possível colocar um rastreador na coleira do seu pet ou comprar uma coleira com GPS para cachorro.

Vantagens da microchipagem

O microchip em cachorro é um dispositivo seguro e impossível de falsificar. Ele reúne as informações do animal e do tutor, que são cadastradas preferencialmente em sites de conhecimento mundial de registro animal.

Como não tem bateria, o tutor não precisa se preocupar com radiações ou recargas. O microchip também não precisa de manutenção, poucos relatos envolvem a expulsão do microchip pelo próprio organismo animal, porém não é impossível que ocorra. Pode ser colocado em cachorros de qualquer idade. 

Se um animal é encontrado perdido, veterinários, órgãos do governo ou ONGs facilmente vão acessar, por meio do leitor de microchips, o código numérico daquele animal e encontrar o tutor.

Desvantagem do microchip

Na verdade, a única desvantagem do microchip em cachorro não é intrínseca a ele, mas sim ao fato de não haver um banco de dados único e centralizado para o cadastro de animais microchipados, o que causa confusão para o tutor.

Alguns tutores podem se preocupar com quanto custa microchip para cachorro. Saiba que, caso o custo da implantação em uma clínica particular seja um fator impeditivo, aplicando-o por meio da prefeitura, não há custo, porém há regras para tal solicitação.

Cão deitado na grama com a língua de fora com o microchip em cachorro.

Entendeu por que microchip em cachorro é importante? Então, saiba mais em nosso blog. Lá, você aprende sobre curiosidades, doenças e dicas de manejo para cuidar do seu amigo.