Carrapato: conheça as doenças que ele pode transmitir

Publicado pela Equipe SERES | 10 julho 2022

#

Acredite: ele está por toda parte! O carrapato surgiu há 90 milhões de anos e chegou aos cinco continentes não só devido a estar agarrado à pele de homens e animais, mas também graças a algumas características que dão a ele grande resistência.

A surpreendente resistência do carrapato!

Os carrapatos são super resistentes. Eles podem ser levados pelo vento e pela água, e conseguem se esconder em até 10 cm dentro da terra. Além disso, sobrevivem sem oxigênio, escalam paredes e ficam até 2 anos sem comer.

Foi assim que esses bichos, da mesma classe das aranhas e dos escorpiões, se espalharam pelo mundo!

Os perigos do carrapato na pele

Hoje, há mais de 800 espécies de carrapatos. Todas elas formadas por indivíduos hematófagos obrigatórios, ou seja, que dependem de sangue para sobreviver.

É esse hábito alimentar que faz dos carrapatos seres tão perigosos. Isso porque quando eles sugam o sangue do animal, também transmitem vírus, bactérias ou protozoários.

Eles adquirem esses transmissores de doenças parasitando em diferentes animais, ora em um, ora em outro. Há casos em que também recebem das próprias mães.

Fique atento a seu animal em contato com o carrapato

Cães, gatos, cavalos, bois e capivaras são os hospedeiros mais frequentes dos carrapatos, mas não são os únicos.

Há carrapatos que parasitam répteis e aves, por exemplo. E, para muitos deles, o ser humano serve de hospedeiro acidental, o que acaba pondo em risco também a sua saúde.

Conforme a espécie de carrapato na pele, ele troca de hospedeiro até três vezes ao longo da vida. Isso acontece principalmente quando se transforma de larva em ninfa e, por fim, em adulto.

Esse fato explica por que 95% da população de carrapato branco e/ou preto costumam estar no ambiente.

Reprodução do carrapato hospedeiro

Em todos os tipos de carrapato, mesmo os que não trocam de hospedeiro, a fêmea se desprende para colocar os ovos.

No entanto, isso não significa que ela fique no chão. Ao contrário! A fêmea costuma procurar um canto quietinho, parede acima, para fazer a postura. O processo pode durar cerca de 29 dias e render mais de 7 mil ovos!

Por isso, em caso de infestação por carrapato na sua casa, utilize carrapaticida também nas frestas das casinhas de madeira, dos muros e dos móveis.

Problemas causados pela presença de carrapatos

Como todos picam e sugam sangue, o carrapato em cachorro e/ou humano pode causar anemia — conforme a intensidade do parasitismo —, coceira, lesões de pele e alergias.

Há, ainda, relatos de paralisias provocadas pela inoculação de toxinas presentes na saliva deles. Contudo, esses quadros não estão bem descritos no Brasil.

Daí em diante, os danos à saúde do hospedeiro dependem do tipo do carrapato parasita. Isso porque cada um transmite determinados vírus, bactérias e protozoários.

Carrapato vermelho do cão – Rhipicephalus sanguineus

Carrapato Rhipicephalus sanguineus

É o carrapato de cachorro mais comum, no entanto, também gosta de humanos. Ele é o mais frequente nas grandes cidades, e sobe e desce do hospedeiro três vezes ao longo da vida. Portanto, a maior parte da população está no ambiente e pode fazer até quatro gerações em um ano.

Para cães e humanos, os dois principais parasitas que podem ser transmitidos pelo Rhipicephalus são a babesia (um protozoário) e a ehrlichia (uma bactéria).

Ehrlichia e babesia atacam os glóbulos brancos e vermelhos do sangue, respectivamente. O ataque causa prostração, febre, falta de apetite, pontos de sangramento na pele e quadros de anemia.

Aos poucos, a falta de oxigênio e a própria ação dos parasitas vão comprometendo também a função dos órgãos do animal, o que pode levá-lo à morte.

Além da ehrlichia, o Rhipicephalus também pode ser o vetor de outras três bactérias:

  • Anaplasma platys: provoca uma queda cíclica de plaquetas;
  • Mycoplasma: ocasiona doenças em animais imunocomprometidos,
  • Rickettsia rickettsii: causa a febre maculosa, mas de forma menos frequente do que o Amblyomma cajennense.

Como se já não bastasse, o cão ainda pode ter uma doença chamada hepatozoonose. O caso acontece apenas se ele ingerir o Rhipicephalus, contaminado pelo protozoário Hepatozoon canis.

Isso porque o vírus acaba liberado no intestino do pet e entra nas células dos mais variados tecidos do corpo.

Carrapato-estrela – Amblyomma cajennense

Ao longo da vida, os Amblyommas também descem três vezes dos animais parasitados. Além disso, esse gênero tende a ser mais comum no ambiente rural.

Carrapato Amblyomma cajennense

O A. cajennense, quando adulto, tem nos cavalos os hospedeiros preferenciais, mas as fases de ninfa e larva são pouco seletivas e parasitam facilmente outros mamíferos, inclusive o cão e o homem.

O micuim que sobe no corpo ao andar no pasto é, de fato, o A. cajennense imaturo, na fase da ninfa, que costuma se aglomerar nos locais de sombra das pastagens.

Esse carrapato é o principal transmissor da Rickettsia rickettsii, bactéria que causa a febre maculosa em humanos e cães. Nos pets, a doença tem sinais muito semelhantes aos da erliquiose e, provavelmente por isso, poucas vezes é reconhecida.

Em humanos, a febre maculosa, como o nome sugere, caracteriza-se por febre e manchas vermelhas no corpo, além de fraqueza, dor de cabeça, dor muscular e nas articulações, tudo de início súbito. Se não for tratada, pode levar à morte rapidamente.

Além da febre maculosa, o A. cajennense, no Brasil, é o vetor ao qual se adaptou a Borrelia burgdorferi, uma bactéria que causa a Doença de Lyme (borreliose).

A doença é caracterizada, inicialmente, por lesões avermelhadas na pele e problemas articulares. No entanto, pode evoluir para quadros graves de infecção do sistema nervoso.

A borreliose é muito mais comum no Hemisfério Norte do que por aqui. Lá, é transmitida pelo carrapato Ixodes ricinus.

Carrapato amarelo do cão – Amblyomma aureolatum

O A. aureolatum costuma parasitar os cães que vivem próximos a regiões de mata, onde a umidade e as temperaturas são amenas.

carrapato Amblyomma aureolatum

Ele também pode transmitir a febre maculosa, mas ganhou fama mais recentemente como vetor da Rangelia vitalii, um protozoário que chegou a ser confundido com a babesia.

Contudo, diferentemente dela, esse protozoário não invade apenas as células vermelhas do sangue, mas também os glóbulos brancos e as células das paredes dos vasos sanguíneos, o que o faz mais agressivo e mais letal.

O sul do país tem o maior número de casos de rangeliose. Porém, animais doentes também já foram identificados nas grandes cidades do Sudeste.

O uso de carrapaticida para cães, seja na forma de comprimidos, coleiras, sprays ou pipetas, é a maneira mais segura de tentar prevenir essas doenças. No entanto, o tutor também deve ficar atento ao tempo de ação de cada produto.

Ainda assim, ao retornar do passeio, é importante checar orelhas, virilhas, axilas e também entre os dígitos das patas do cão, verificando se nenhum carrapato se prendeu por ali.

Lembre-se de que, para o cão adoecer, muitas vezes, basta uma única picada de um carrapato infectado. Como nenhum produto para a prevenção é 100% eficaz, caso o seu pet esteja mais tristonho, procure um médico-veterinário da Seres.

Aqui você encontra artigos incríveis sobre saúde e cuidados que podem ajudar a melhorar o bem-estar de seu bichinho de estimação, seja qual for a espécie do pet. Afinal de contas, o nosso instinto é cuidar!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Notícias relacionadas

Ver todas notícias
Dente de cachorro caindo: saiba se é normal

Dente de cachorro caindo: saiba se é normal

#cachorro
14 novembro 2022

Todo tutor adora ver seu bichinho feliz e saudável, por isso, brinca e oferece brinquedos para ele se divertir. Durante […]

Continuar lendo
É possível identificar fezes de cachorro com giárdia?

É possível identificar fezes de cachorro com giárdia?

#cachorro
08 novembro 2022

A giardíase, ou seja, a infecção do seu peludinho por um protozoário unicelular, pode alterar o sistema digestório, causando gases, […]

Continuar lendo
Doenças cardíacas em cães: saiba como identificar

Doenças cardíacas em cães: saiba como identificar

#cachorro
27 outubro 2022

Assim como nos seres humanos, as doenças cardíacas em cães também são patologias frequentes, geralmente associadas à idade mais avançada. […]

Continuar lendo
Seu cachorro não bebe água? Isso não é um bom hábito!

Seu cachorro não bebe água? Isso não é um bom hábito!

#cachorro
26 outubro 2022

A água é a substância mais abundante no corpo dos animais. Se seu cachorro não bebe água, você deve descobrir […]

Continuar lendo
Dentista-veterinário: saiba mais sobre essa especialidade

Dentista-veterinário: saiba mais sobre essa especialidade

#cachorro
25 outubro 2022

A medicina veterinária vem crescendo a cada dia. É comum nos depararmos com novos produtos, tratamentos e até mesmo doenças […]

Continuar lendo
Conheça como vive um cachorro deficiente

Conheça como vive um cachorro deficiente

#cachorro
24 outubro 2022

Os animais, assim como os seres humanos, podem sofrer acidentes, ser diagnosticados com doenças de difícil tratamento ou nascer com […]

Continuar lendo
Conheça algumas causas de cachorro cansado

Conheça algumas causas de cachorro cansado

#cachorro
23 outubro 2022

Após longos passeios, corridas e brincadeiras no quintal, ou seja, após um alto gasto energético, é normal ver o pet […]

Continuar lendo
Como saber se o cachorro está ficando cego e como ajudá-lo

Como saber se o cachorro está ficando cego e como ajudá-lo

#cachorro
06 outubro 2022

Apesar de o olfato ser o sentido mais aguçado e importante para o cão, isso não quer dizer que se […]

Continuar lendo
Ferida na orelha do cachorro: devo me preocupar?

Ferida na orelha do cachorro: devo me preocupar?

#cachorro
03 outubro 2022

Umas das partes do corpo do nosso pet que chama mais atenção são as orelhas. Cada raça possui um formato […]

Continuar lendo

Assine nossa newsletter e receba novidades.