Você sabia que os protozoários também podem causar doenças em cães? Um que é um grande problema e pode até levar o bichinho à morte é o causador da babesiose canina. Ele pode acometer peludos de todas as idades, mas é possível evitá-lo! Veja o que fazer e como ajudar o seu pet! 

O que é babesiose canina?

Provavelmente, você já ouviu falar da doença do carrapato, não é? Uma das causas desse problema, popularmente conhecido por esse nome, por ser transmitido pelo carrapato, é a chamada babesiose canina.

babesiose canina

Mas, afinal, o que é babesiose canina? Esta é uma doença causada pela Babesia spp., um protozoário. Quando ele infecta o animal de estimação, torna-se parasita das hemácias e acaba deixando o peludo anêmico. 

Assim, é possível definir a doença pela Babesia como causada por um protozoário que parasita as células vermelhas do sangue e ocorre em diversos países. Quando não tratado, e a doença estando em fase aguda o peludo pode morrer em poucos dias.

Como o pet pega a babesiose canina?

Basta um simples passeio no quarteirão para que o peludinho volte com um carrapato (dentre eles destaca-se o Rhipicephalus sanguineus). Para isso, é só ele ir a um local no qual esse aracnídeo esteja presente.

Além de causar incômodo, sugar o sangue e fazer mal para o pet, o carrapato pode transmitir um protozoário chamado Babesia canis. É aí que mora o grande perigo! Esse hematozoário é o causador da babesiose em cães, um problema de saúde comum em países tropicais, como o Brasil.

Isso acontece por essas regiões possuírem um ambiente quente e úmido, o tipo de condição adequada para que a reprodução dos carrapatos aconteça. Assim, eles se proliferam rapidamente!

Todo cachorro que pega carrapato tem babesiose? 

Embora haja um risco do pet ter sido acometido, nem sempre o animal que tem contato com um carrapato adoece. Afinal, para causar a enfermidade no cão, o carrapato tem que estar contaminado, ou seja, precisa ter se alimentado anteriormente com o sangue de animais com Babesia.

Como o carrapato adquire esse protozoário?

Ao picar um animal com o Babesia canis, a fêmea do carrapato ingere o protozoário e se infecta. Quando isso acontece, ela passa a depositar ovos no ambiente já com o protozoário.

Esses ovinhos vão se desenvolvendo e crescendo já com o Babesia canis. Conforme o aracnídeo se desenvolve, esse protozoário migra para a glândula salivar e se multiplica. Dessa forma, quando o carrapato picar um cão sadio para se alimentar, ele infectará o animal com o microrganismo.

babesiose canina

Quando desconfiar que o bichinho está com babesiose?

Uma vez que o cão tenha sido picado por um carrapato e contraído o protozoário causador da babesiose canina, terá os glóbulos vermelhos parasitados e destruídos. Por isso, a doença tem como principal achado laboratorial anemia hemolítica (que indica a destruição de células vermelhas) do tipo regenerativa (que indica que a medula óssea não está afetada). 

Isso só será percebido no exame laboratorial. Porém, essa alteração nas células sanguíneas leva ao aparecimento das manifestações clínicas. Além disso, no dia a dia, os sintomas de Babesia canina podem ser percebidos em casa. Entre eles: 

  • anorexia (falta de apetite);
  • apatia;
  • alterações gastroentéricas como náuseas/vômitos e diarreias;
  • febre;
  • hemoglobinúria (eliminação de hemoglobina pela urina),
  • icterícia (pele amarelada).

Os sinais também podem variar de intensidade de acordo com a velocidade que a babesiose em cães se desenvolve. No geral, o curso da doença varia de três a dez dias. É preciso começar o tratamento do Babesia logo, pois a vida do pet com babesiose canina está em risco!

Como é feito o diagnóstico da babesiose canina?

Assim que você levar o pet ao consultório veterinário, o profissional vai perguntar sobre a possibilidade de o cão ter sido picado por carrapato. Isso pode ter acontecido mesmo sem você ter visto esse parasita em seu animal.

Além disso, ele poderá fazer uma inspeção da pele do cão para saber se há algum aracnídeo presente. Depois, além de avaliar os sintomas causados pelo Babesia, para confirmar o diagnóstico de babesiose em cães, o médico-veterinário pode solicitar exames de sangue.

Algumas vezes, esse exame consegue encontrar o Babesia nas hemácias, mas isso nem sempre acontece. Caso não encontre o parasita, o diagnóstico acaba sendo feito por outros parâmetros laboratoriais (Métodos sorológicos ou PCR).

Existe tratamento para a babesiose em cães?

O tratamento para babesiose canina será baseado no combate ao protozoário e na estabilização do animal, corrigindo os problemas causados pela doença. Para isso, além do medicamento específico para combater o Babesia canis, o cachorro pode precisar de:

  • suplementação polivitamínica;
  • transfusão sanguínea;
  • fluidoterapia
  • antibioticoterapia (para infecções secundárias).

O tratamento do Babesia em cães pode ser longo. Para que o animal tenha uma completa recuperação, é preciso que o tutor siga corretamente todas as recomendações prescritas pelo médico-veterinário. 

Afinal, a doença do carrapato tem cura, desde que o animal seja medicado de forma rápida e correta. O grande problema é quando o tutor não dá importância à apatia do animal e demora para levar o pet para o atendimento veterinário. Com isso, o quadro tende a se agravar, e a cura se torna mais difícil.

Como é possível evitar que o peludo tenha a doença do carrapato?

A doença pode ser muito grave, por isso, é preciso fazer o possível para que o pet não contraia o protozoário. A melhor maneira de prevenir a babesiose canina é evitando que o pet seja picado por carrapatos. 

Para isso, o local no qual o animal vive precisa ser monitorado. Afinal, os carrapatos podem habitar qualquer ambiente e, muitas vezes, não notamos. 

Caso o local esteja infestado, indica-se o uso de carrapaticidas no ambiente. Na hora da aplicação do produto, além de usar equipamento de proteção individual, para evitar a intoxicação, é preciso ficar atento às paredes. Muitas vezes, os carrapatos estão ali. 

babesiose canina

Por isso, além do chão e do gramado, é indicado pulverizar as paredes da área externa com carrapaticida. Dessa forma, você irá garantir que nenhum parasita transmissor do protozoário causador da doença do carrapato Babesia permaneça no local.  ATENÇÃO: esses produtos são tóxicos para Pet. Somente utilize sob recomendação médica e sempre ao aplicar o pet precisa estar fora do recinto.

Além disso, alguns medicamentos (coleiras, sprays, pipetas de aplicação tópica, entre outros) ajudam a manter esses parasitas longe do animal de estimação. Converse com o médico-veterinário para receber a melhor alternativa para o seu pet e evitar que ele seja acometido pela babesiose canina!

Embora a doença do carrapato cause anemia nos pets, esse não é o único fator que leva o peludo a ficar anêmico. Conheça outras causas e veja o que fazer